Semeando Sustentabilidade

Sobre o Projeto

O projeto Semeando Sustentabilidade, patrocinado pela Petrobras através do Programa Petrobras Socioambiental, tem como objetivo desenvolver alternativas de produção não lineares e adequação ambiental de propriedades da agricultura familiar na Amazônia permitindo que cumpram suas funções sociais, econômicas e ambientais por meio do emprego de tecnologias agrícolas pautados em parâmetros socialmente includentes, economicamente acessíveis e rentáveis e ambientalmente sustentáveis.
As ações são realizadas desde 2010 nos municípios de Itapuã do Oeste, Cujubim e Rio Crespo, Rondônia. O projeto é alicerçado em fortalecimento das organizações da sociedade civil, através de ações formativas, como cursos, rodas de diálogo, intercâmbios e dias de campo. Também é trabalhada a regularização ambiental das propriedades através de recuperação de áreas alteradas, doação de mudas. Ações de desenvolvimento econômico complementam as demais atividades através de assistência técnica e extensão rural para fins produtivos aos agricultores.

Importância

Um dos maiores problemas enfrentados hoje na Amazônia é o desmatamento por práticas agropecuárias lineares, ou seja, aquelas que avançam sobre a floresta deixando áreas abandonas para trás. Esse é um problema difícil de ser enfrentado por sua complexidade, pois esbarra em uma série de fatores limitantes como a baixa disponibilidade de nutrientes no solo, técnicas produtivas e questões culturais, apenas para citarmos alguns.
O desmatamento e as formas de uso e ocupação dos solos geram problemas não apenas regionais, mas globais, pois a Floresta Amazônica possui grande importância para o equilíbrio climático mundial devido aos serviços ambientais que presta. Assim, como forma de contribuir no combate às mudanças climáticas de origem antrópica o Centro de Estudos Rioterra desenvolve projetos voltadas para o uso racional de espaços já alterados como forma de evitar avanços sobre a floresta.

Pensando em soluções inovadoras, o Centro de Estudos (CES) Rioterra elaborou o projeto “Semeando Sustentabilidade” que não só possibilita diversificar renda, mas fixar carbono, através da recuperação de áreas com sistemas agroflorestais (mais indicados para a região) e fortalecer o capital social local para realização de uma agricultura de baixo carbono. Sem educação para o uso adequado dos ambientes, nunca teremos de fato, sustentabilidade. Resumindo, com essas ações evitamos novos desmatamentos.

Objetivos

Desenvolver alternativas de produção não lineares e adequação ambiental de propriedades da agricultura familiar na Amazônia permitindo que cumpram suas funções sociais, econômicas e ambientais por meio do emprego de tecnologias agrícolas pautados em parâmetros socialmente includentes, economicamente acessíveis e rentáveis e ambientalmente sustentáveis.

Resultados

Apoio à conservação da biodiversidade amazônica através da marcação e georreferenciamento de 490 matrizes porta sementes;

170 hectares de áreas abandonadas reutilizadas para produção através de sistemas agroflorestais

X artigos científicos publicados em congressos internacionais e periódicos científicos;

Laboratório de Fisiologia Vegetal da Universidade Federal de Rondônia estruturado e possibilitando o desenvolvimento de pesquisas a jovens universitários;

45 ações de formação realizadas e atendimento direto a mais de 1774 participantes.

Viveiro Municipal de Itapuã do Oeste ampliado, com estrutura modernizada, apto a produzir mudas ao ano suficientes para atender a demanda da agricultura familiar regional;

Mais de 800.000 mil mudas de espécies frutíferas e florestais produzidas e doadas gratuitamente aos agricultores familiares da região;

Mais de 300 famílias atendidas por trabalhos de assistência técnica e extensão rural

Apoio às as políticas públicas de conservação através do Cadastramento Ambiental Rural/CAR de aproximadamente 300 propriedades da agricultura familiar

Ampliação de eventos e espaços para disseminação de conhecimentos e troca de saberes através da realização de seminários, intercâmbios, oficinas

Geração de 80 empregos diretos.

Mais de 9000 pessoas envolvidas em atividades de educação ambiental.